Posto de saúde fixo na penitenciária Agenor está sendo concluído

0
8

A construção de uma unidade básica de saúde na penitenciária Agenor Martins de Carvalho, em Ji-Paraná, está em fase de conclusão. O objetivo é oferecer atendimento médico e odontológico aos apenados na própria instituição.
Os tratamentos clínicos serão oferecidos em local mais apropriado. O prédio foi construído especialmente para atender a demanda básica de saúde da população penitenciária local.

A área de 70 metros quadrados abriga um consultório médico e outro odontológico, salas de: triagem, esterilização, expurgo, farmácia, medicamento e observação compõem a estrutura física, que conta também com uma cozinha e um banheiro.

O mobiliário, os equipamentos e a medicação básica já estão disponíveis na unidade prisional. “Os retoques de construção civil estão sendo finalizados. Estamos aguardando o técnico que vai instalar a cadeira odontológica para colocar em funcionamento a unidade de saúde”, informou o diretor da penitenciária, Rafael Peres, destacando que a mão de obra da construção civil é feita pelos reeducandos da unidade Agenor de Carvalho.

A construção do posto de saúde está sendo executada com recurso próprio da Secretaria de Estado de Justiça (Sejus) e recebe o apoio e incentivo de juiz e promotor de Ji-Paraná. “É salutar ressaltar a colaboração que temos recebido dos membros do Poder Judiciário local na implantação desse serviço médico e odontológico”, frisou o gerente regional da Sejus, Fred Barbosa.

Assim como vai acontecer em breve em Ji-Paraná, Alvorada do Oeste, Jaru e Ouro Preto do Oeste na região Central já operacionalizam os serviços médico-odontológico específicos aos apenados nas próprias unidades prisionais. “A centralização desse serviço básico em saúde melhorando a assistência ao apenado foi uma determinação do governador Marcos Rocha”, pontua Fred Barbosa, adiantando que o quadro de servidor para atuar no posto de saúde do Agenor de Carvalho está completo.


Antes da abertura oficial da unidade de saúde, o atendimento preventivo aos apenados ainda ocorre em local organizado. Os casos mais graves, que demandam de internações e outros procedimentos urgentes, são encaminhados à rede pública de saúde.

“Esse novo espaço no Agenor de Carvalho é importante porque vai gerar maior assistência e evitar o desconforto social das pessoas que utilizam a rede municipal”, avalia o secretário regional de governo, Everton Esteves, referindo aos pacientes que se deparam com apenados algemados na fila de espera por atendimento médico na rede hospitalar pública.



CURTA/SIGA/ACOMPANHE-NOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here